23 de setembro de 2009

O silêncio que precede o esporro (da saudade)

Sempre fico ansioso com as mudanças, mas eu gosto, me fazem sentir renovado de alguma maneira. Muitas vezes elas são tortuosas, mas sempre são recompensadoras a seu modo. Procuro encarar que qualquer coisa na vida tem o seu lado bom e o seu lado ruim, mas também procuro levar em consideração esse lado bom como meu norte.

Pra esse caso específico, muita coisa vai mudar.

Primeiro a língua será "nova" pra mim. Mesmo sabendo o inglês, o receio é grande por estar em um lugar onde a possibilidade de usar a sua língua nativa é mínima.
Em segundo, a moradia. Uma casa diferente, com uma "família" diferente, costumes e horários diferentes (além de fuso-horário também), uma outra rotina. "Será que vou me adaptar bem?" é uma pergunta quase constante.
Em terceiro, uma cidade totalmente nova. Vou ter que reconstruir a noção de distância entre 2 pontos da cidade, decorar um novo mapa de metrô e descobrir como funcionam os ônibus, conhecer os bairros menos ou mais seguros e os seus horários, além de regras e costumes de cidadania.
E conseguir enfrentar esse monte de coisa nova com a saudade da família e dos amigos apertando o peito e tentando me distrair a cada minuto.

Essas são as coisas do lado (inicialmente) negativo. Mas muita coisa boa fica à espreita.

Vou me aperfeiçoar numa nova língua, conhecer gente diferente, com tradições bem distantes da minha atual realidade, fazer novos amigos, viver uma nova vida independente de tudo o que tenho construído por aqui, seja social ou fisicamente. Tenho certeza que isso me fará amadurecer bastante, crescer como pessoa (e até como profissional) e que vou voltar com a cabeça ainda mais aberta do que a que tenho hoje.

Vou enfrentar algumas dificuldades com coisas banais pra boa parte das pessoas, como fazer comida, limpar e administrar uma casa, mesmo já tendo essas experiências no meu "currículo" atual. Agora essas coisas entram duramente como realidade na minha vida. É o famoso "ou vai ou racha". E se Deus quiser, eu vou!

Penso que o problema maior é a ansiedade dos dias que antecedem o embarque. É "o silêncio que precede o esporro", como diria O Rappa. Essa inércia provavelmente me consome mais do que vai me consumir quando eu estiver lá, vivenciando essa nova vida. Meu pai já me disse que assim que eu for embora vai colocar um boneco e uma caixa no local que hoje eu e meu notebook religiosamente ocupamos todos os dias, pra não se sentir sozinho e com tanta saudade chegando em casa.

Acho que essa prisão ao virtual acaba sendo uma válvula de escape para não encarar de vez que daqui há alguns dias não estarei mais diariamente e perto das pessoas que mais amo hoje, somada à ansiedade que já faz parte de mim. Desde criança, nunca consegui dormir cedo e sempre gostei de madrugar no computador (funciono melhor à noite, sabe...) mas ultimamente vejo o sol nascer antes de deitar pra dormir.

Inúmeras "to-do lists", anotações pra não esquecer de nada e diversos compromissos preenchem o pouco tempo que me resta nas terras tupiniquins. E acho que a preparação me toma tanto tempo ultimamente que ainda não me dei conta de fato de que falta muito pouco. Aparentemente estou acreditando que essa preparação é pra uma data importante ou uma viagem de uma semana.

E essa preparação, que inclui o tema "saúde", me deu mais noção ainda da minha saúde, dos cuidados que tenho que ter comigo mesmo, tanto no física quanto mentalmente. Afastei pessoas que não me agregavam coisas boas, trouxe pra mais perto aqueles que fazem os meus dias realmente felizes, mudei minha alimentação... E tudo isso reflete no corpo; na pele, nos órgãos, no pensamento. Tudo isso me faz sentir mais tranquilo comigo mesmo e consequentemente mais pronto pra encarar isso de frente.

Falta pouco, muito pouco...

A saudade, palavra genuinamente brasileira é única. E hoje ela está no mercado com uma outra variedade na sua linha de produtos, a saudade antecipada. Olho hoje para tudo de forma um pouco nostálgica; as pessoas, os lugares, as coisas que ficam, o céu, a rua, a natureza... tudo me parece mais vivo do que nunca, me preparando emocionalmente para viver um mundo totalmente novo.

E que eu esteja preparado (na marra), porque aqui vou eu...

4 comentários:

Nath disse...

A saudades já bate no meu peito!!!!
Te amo mais que tudo!!!
Bjãoo

Rafael Leick disse...

Tb te amo muitão Na!!!
Mta saudade desde já!

... Sonic Loungescape™ ... disse...

Vai ..... mas vai mesmo!!!!

E não pensa que estará sozinho, pois de pensamento e de coração garanto que estará levando um número gigante de pessoas com você !!!!!

Saudades !!!!! sim e muita.....

Mas tem aquela velha história: só sentimos saudades de coisas boas !!!!!

Então vai ......

Rafa, tenha certeza que sou um cara que te admira muito e desde sempre !!!!! Me orgulho de ser seu amigo !!!!!!

Mas...... se for para não voltar..... VAI E NÃO VOLTA !!!!! eu sei que é cedo para pensar, mas...... CAVE O TERRENO QUE FOR PRECISO PARA SER FELIZ !!!!!!

Eu sei que tem coragem força e inteligência..... Então com todo o meu coração.....

VAI RAFA !!!!!! VAI SER GAUCHE NA VIDA !!!!!!

TE AMO MUITO MEU AMIGO !!!!!!!!!!!!

Ivone disse...

Rafa, só hoje li este texto e fiquei emocionada... Você é realmente o menino lindo, de corpo e alma, que eu imaginava que ia ser.
Te amo! Vc continua morando no meu coração (mas o quartinho é bem melhor do que aquele que vc estava...)
milhões de beijos

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...